Tag: arquitetura expositiva

Foto por Rafael Pto

Foi uma corrida árdua. Para nós, que estávamos terminando o livro e organizando-se para que o produto chegasse da gráfica fiel as nossas expectativas, pensar em um evento de lançamento em conjunto com a montagem da exposição foi um processo novo para nós.

Com o evento se aproximando e os livros em mão, começamos parte das divulgações. Tanto nas redes sociais, como o Facebook, o Instagram e até jornais da região. Já estávamos acertados com o pessoal do Paço da Liberdade em questão de espaço e setorização de circulação. O buffet já estava com horário e menu pronto para chegar. A sala estava a nossa espera.

O dia chegou. Carregamos o material da exposição desde a manhãzinha e iniciamos a montagem. Aramados para um lado, fotos para o outro. Vitrines abertas, quadros pendurados. Um lembrete rápido nas redes de que o evento estava próximo. O sol estava a pino e ainda faltava muito.

Corremos com as instalações, penduramos e ajeitamos as fotos. Organizamos as vitrines, penduramos o banner, ajeitamos as mesas do lado de fora e quando pouco antes da abertura de portas, olhamos o trabalho finalizado, suspiramos, felizes por estar tudo certo e no seu lugar. Exaustos, fomos nos aprontar para o evento em si.

Esperávamos poucos convidados. Nossa meta era de 50 a 80 convidados. Lançamentos de livro ou de exposição em espaços mais comedidos costumam não atrair muita gente. Ao subir as escadas de madeira do eclético prédio que já abrigou a prefeitura, o burburinho era alto, de várias pessoas alocadas no corredor do primeiro andar, falando de vários assuntos, reencontrando amigos ou colegas, comentando do que ainda não estava a vista. O local estava cheio!

Abrimos a exposição e alocamos uma mesa para o pessoal folhear e adquirir o livro. Com o horário da abertura mais próximo o local começou a ficar quase intransitável. O buffet estava se ajeitando e não conseguíamos parar de cumprimentar amigos e colegas que vieram prestigiar esse trabalho de anos de pesquisa e organização. Com o horário estourando e a Sala de Atos lotada, com parte do pessoal até mesmo de pé, demos início a palestra, curta, de apresentação do projeto que conseguiu tornar realidade o livro Prédios de Curitiba.